quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Seres Elementais do Ar



No último discurso de Sócrates, tal como foi preservado no Fédon de Platão, o filósofo condenado à morte diz:

".....acima da Terra, existem seres vivendo em torno do ar, tal como nós vivemos em torno do mar, alguns em ilhas que o ar forma junto ao continente; e numa palavra, o ar é usado por eles tal como a água e o mar o são por nós, e o éter é para eles o que o ar é para nós. Mais ainda, o temperamento das suas estações é tal, que eles não tem doenças e vivem  muito mais tempo do que nós, e têm visão e audição e todos os outros sentidos muito mais agudos que os nossos, no mesmo sentido que o ar é mais puro que a água e o éter do que o ar.


Eles também têm seus templos e lugares sagrados em que os deuses realmente vivem, e eles escutam suas vozes e recebem suas respostas; são conscientes da sua presença e mantêm conversação com eles, e veem o Sol, a Lua e as estrelas tal como realmente são. E todas suas bem-aventuranças são desse gênero".


O elemento do Ar é muito importante para a manutenção da vida no plano físico, pois sem o ar, as pessoas não podem viver por qualquer período de tempo. A atividade benéfica do ar é sentida na brisa tépida ou fresca, onde quer que ela seja solicitada. O ar constitui também o meio de acionar barcos e navios em oceanos e mares, bem como aviões. Vemos sua atividade destruidora nos furacões, ciclones, tempestades.

Nos ventos, nas brisas, na nossa respiração... Sentimos o sopro de vida vindo do Universo.

O ar é um fio condutor que nos une ao Grande Pai e a Grande Mãe. Ao nascer, nós iniciamos este ritual da respiração: inspirar e expirar, onde a vida e a morte se encontram continuamente, ensinando-nos a lição mais importante no ato de viver que é compreender a própria morte como parte inseparável da vida.


Elementais do ar são os que reinam pelo ar e ventos. São os silfos (silfídes), fadas e hamadríades. Eles são os mais elevados de todos os elementais, já que seu elemento nativo é o de mais alta taxa vibratória. Vivem centenas de anos, frequentemente atingem um milênio de idade e nunca parecem envelhecer.



Hamadríades - Estes seres do ar estão ligados aos espíritos da natureza, especificamente às árvores, onde fazem a sua morada permanecendo ligados desde o nascimento até a morte. Na sua forma natural, irradiam um amarelo-esverdeado, podendo ser percebidos pelo homem, por sua luz delicada e um  brilho levemente cintilante.




Fadas - As fadas são uma "espécie" de Devas dos vegetais e estão diretamente ligadas à terra e ao ar. Fisicamente são pequenas e ágeis, irradiando-nos um brilho luminoso esbranquiçado, lembrando-nos um núcleo, um bloco de energia pura. São elementais que têm percepções naturais da sensibilidade e da harmonia da vida. São leves e sutis a ponto de realizarem trabalhos minuciosos, como o de preencher uma flor colocando-lhe as pétalas.


Silfos ou Sílfides- Estes elementais reinam no ar, nos ventos, sendo os que mais se assemelham aos anjos. Têm uma capacidade intelectual sensível, chegando a favorecer o homem na sua imaginação. São  reconhecidamente belos, assumindo vários tons de violeta e de rosa. As lendas contam que são os sílfos que modelam as nuvens com suas brincadeiras, para embelezar o dia-a-dia do homem na Terra.


Para senti-los, basta respirarmos profundamente e chega-nos de pronto a sensação de um doce frescor no Ar.

Assim reconhecemos sua Natureza Divina, bem como o Fruto Abençoado de seu trabalho em prol de nosso Planeta.


Silfos podem desempenhar funções específicas relacionadas à atividades Humanas.

Vejamos alguns exemplos:

1- Silfos que atuam sobre nossos corpos sutis, para aliviar dor e sofrimento.
2- Silfos que atuam sobre nossos corpos sutis para estimular inspiração e criatividade.
3- Silfos que prestam auxílio à Crianças que acabam de fazer sua transição deste Plano.
4- Temporariamente alguns Silfos atuam como Anjos para conosco. O Fazem até estarmos melhor preparados p/ o encontro com nosso Anjo da Guarda.


2 comentários:

  1. adoro esses seres encantados,são de uma beleza incomparável e para quem neles creem um deslumbro de encantaria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou uma grande verdade: "Para quem neles creem, um deslumbro de encantaria." Sinto pena dos céticos e materialistas; deixam de ver e sentir tantas coisas maravilhosas, não é mesmo?
      Um abraço.

      Excluir