sexta-feira, 25 de maio de 2012

A vida dos Cavaleiros Medievais



Desde os 7 anos, candidatos a cavaleiro aprendiam a ler e escrever – privilégio para poucos na Europa dos séculos 10 a 14 –, a se portar social e religiosamente, a cavalgar e a batalhar.

Só aos 21 anos, porém, eram aprovados ou não como cavaleiros. Geralmente vindos de famílias nobres, com tradição na cavalaria, os jovens treinavam pesado, mas tinham várias regalias em relação aos camponeses: eram bem alimentados, viviam nos castelos e tinham direito a comprar terrenos e a contratar soldados para defendê-los.


Juntamente com os privilégios, vinham importantes responsabilidades: para com os cristãos (incluindo defender o companheiro de guerra e proteger os pobres e indefesos), para com Deus (considerado até mais importante do que o senhor feudal que o sustentava) e para com as mulheres (o culto à Virgem Maria ganhava força na época, e as damas passaram a ser vistas como donzelas puras e dignas de receber toda cortesia).


Longo aprendizado

Ao fim de 14 anos de treino, nem todo pajem virava cavaleiro


Pajem – indicado pela família aos 7 anos, passava a viver dentro do castelo. Lá, aprendia com monges a catequese e rudimentos de escrita. Treinava corrida e montaria e duelava com armas de madeira

Escudeiro – aos 14 anos, começava a ajudar o cavaleiro em tarefas como vestir a armadura e zelar pela segurança familiar. Nas batalhas, carregava as armas e socorria o cavaleiro se preciso.

Cavaleiro – aos 21 anos, o aprendiz que participou de várias batalhas, realizando feitos heroicos, recebia o título em uma cerimônia real. Se sobrevivesse a batalhas e se aposentasse, virava treinador.


Puxando pedra


O treino de um escudeiro rolava nos pátios do castelo. Começava com corridas, seguidas de musculação. Os aprendizes puxavam ferro, madeira e pedras, usadas para erguer os muros do castelo. Se colocado ao lado de um gladiador romano, ele pareceria mais magro, porém, mais musculoso.


Cultura, violência e fé

 Jovens nobres aprendiam a rezar, cortejar damas, andar a cavalo e batalhar com espadas, lanças e punhos.



Jiu-jítsu medieval

O combate corpo a corpo era violento: durante uma batalha, não durava mais do que 30 segundos. Era preciso neutralizar o adversário rapidamente, e os cavaleiros usavam técnicas de imobilização e estrangulamento semelhantes às do jiu-jítsu, arte marcial japonesa criada bem depois, no século 19.


Ensaio brutal

Duas ou três vezes ao ano, os cavaleiros exibiam sua técnica diante do rei e da nobreza. Os torneios eram realizados no campo ou nos castelos e tinham uma programação vasta, que incluía a melee, uma simulação bem realista de uma batalha – não eram raros ferimentos graves e até mortes.


Treino de campo


Se nos torneios os cavaleiros desenferrujavam e exibiam suas técnicas, nas caçadas eles se divertiam. Para os escudeiros, era a chance de mostrar serviço em tempos de paz. Usando lanças e espadas, era preciso mira e destreza para caçar coelhos e força para pegar javalis e cervos.


Tratamento real


Fazia parte da rotina diária de um aprendiz andar a cavalo e pular rapidamente da sela, caindo em pé. Os animais recebiam um tratamento caprichado: eram bem alimentados, lavados com frequência e apresentados diante do rei e do senhor feudal como as verdadeiras estrelas de seu exército.

Duelos de lança eram levados tão a sério que o derrotado entregava seu cavalo e suas armas ao vencedor – uma grande humilhação.

Só os cavaleiros podiam entrar armados em igrejas. Em tempos de paz e festas religiosas, cumpriam funções cerimoniais.


Homens de ferro

 A roupa de um cavaleiro era montada em camadas e protegia todos os pontos vitais

Escudo - Pequeno, era usado não apenas para absorver golpes, mas também para contra-atacar. O cavaleiro poderia, por exemplo, utilizá-lo para acertar a cabeça do adversário.

Lança - O comprimento variava de acordo com a tradição do castelo e o objetivo do cavaleiro. As mais curtas podiam ser usadas a pé.
Armadura - Montadas sobre uma cota de malha recoberta, no peito, por uma malha de ferro. O estilo variava, mas todo cavaleiro usava capacete, proteção no pescoço e nas articulações e coberturas para ombros, pernas e peito.

Espada - As armas de corte medievais só eram afiadas nas pontas porque também serviam para golpear. Se fosse preciso, o cavaleiro invertia a espada e golpeava com a empunhadura.


 O ideal de cavalaria


O perfeito cavaleiro, para cumprir o ideal, devia ter as seguintes qualidades:

● Um bom nascimento (nobre)
● A honra
● A coragem
● A lealdade
● A virtude
● A piedade



Nenhum comentário:

Postar um comentário